Facebook

Suicídio assistido, sem sanções disciplinares para médicos na Itália

O suicídio assistido, na Itália, não pode ser um motivo de sanções disciplinares para médicos que ajudam um paciente a morrer. Agora também a Federazione degli Ordini dei Medici (Fnomceo) se adaptou à decisão do Tribunal Constitucional sobre o caso apresentado por Marco Cappato, com uma importante atualização do código de ética profissional.

As medidas disciplinares contra os médicos são excluídas quando aqueles que se prestam ao suicídio assistido são pacientes que são artificialmente mantidos vivos, sofrem de patologias irreversíveis e altamente incapacitantes e expressam sua escolha de morrer livre e conscientemente. Estas são as condições estabelecidas pela Consulta em relação à eutanásia legal.

Os juízes do Tribunal Constitucional excluíram a responsabilidade criminal dos médicos que procedem ao suicídio assistido do paciente (por exemplo, interrompendo a hidratação e a alimentação artificial), sempre na presença de seu consentimento informado ou daqueles autorizados por ele. por lei e uma doença grave e irreversível.

A Federazione degli Ordini dei Medici (Fnomceo), após aprovar por unanimidade a medida, modificou o regulamento disciplinar, em particular, o artigo 17 foi alterado, onde se lê: "O médico, mesmo a pedido do paciente, não deve realizar ou favorecer tratamentos destinados a causar sua morte".

As diretrizes para a aplicação do artigo 17 do Código de Deontologia Médica diz o seguinte: 

"A livre escolha do médico para facilitar, com base no princípio da autodeterminação do indivíduo, o objetivo do suicídio, autônoma e livremente, formado por uma pessoa mantida viva por tratamentos de suporte à vida, sofrendo de uma patologia irreversível, fonte de sofrimento intolerável físico ou psicologicamente, capaz de tomar decisões livres e conscientes (decisão do Tribunal Constitucional 242/19 e procedimentos correlatos), deve sempre ser avaliado caso a caso e implica, se todos os elementos acima mencionados, a não punição do médico do ponto de vista disciplinar".