Facebook

Corte de parlamentares terá referendo na Itália

O processo para a entrada em vigor da reforma do corte parlamentar está bloqueado. As 64 assinaturas necessárias no Senado, um quinto do total, foram alcançadas para a realização de um referendo confirmatório.

Foram recolhidas as 64 assinaturas necessárias para lançar um referendo constitucional sobre a reforma dos cortes parlamentares. A meta dos senadores, no entanto, impede a entrada em vigor da lei aprovada em outubro e pode complicar a reforma da eleição.

As 64 assinaturas de senadores necessárias para solicitar o referendo sobre o corte de parlamentares, a reforma constitucional aprovada em outubro passado pelo parlamento, foram atingidas. O objetivo alcançado pelo quorum, ou um quinto do número total de senadores, suspende efetivamente a entrada em vigor da lei, prevista para janeiro. Se nas assinaturas - que deverão ser entregues à Corte de Cassação nos próximos dias - não houver problemas, o referendo constitucional será realizado, conforme previsto na Constituição.

O que prevê a reforma

Em 8 de outubro passado, a Câmara aprovou a reforma que visa reduzir o número de parlamentares, nos seguintes termos: de 630 a 400 deputados e de 315 para 200 senadores. Fala-se, portanto, de uma redução de um terço do total. A reforma também reduz o número de parlamentares eleitos no exterior, que passam de 12 para oito na Câmara e de seis para quatro no Senado. Votado por uma grande maioria, foi promovido e incentivado pelo Movimento 5 Estrelas, não sem alguns acidentes. De fato, muitos parlamentares o criticaram antes de votar. Além disso, para muitos especialistas, reduzir o número é equivalente a diminuir a representação dos eleitores.

O que é o referendo confirmatório

Sendo uma reforma constitucional, a lei sobre o corte de parlamentares foi aprovada em dupla leitura, passando duas vezes pela Câmara e duas vezes pelo Senado. A lei, ainda em reforma constitucional, entrará em vigor nos três meses seguintes à publicação no Jornal Oficial, a menos que seja apresentado um pedido de referendo confirmatório, como foi o caso. Isso é estabelecido pelo artigo 138 da Constituição: "As próprias leis estão sujeitas a um referendo popular quando, dentro de três meses de sua publicação, um quinto dos membros de uma Câmara ou quinhentos mil eleitores ou cinco Conselhos Regionais o solicitam. A lei sujeita a um referendo não é promulgada, a menos que seja aprovada pela maioria dos votos válidos ".

Para este tipo de referendo, o quorum dos eleitores não é necessário, pois uma lei é confirmada ou não (daí a expressão referendo confirmatório que indica, de fato, um referendo constitucional). História diferente para o referendo "abrogativo", que revoga uma disposição específica e requer um quorum, conforme especificado no artigo 75 da Constituição.

O referendo poderia ser realizado mesmo que 126 deputados ou cinco conselhos regionais ou 500 mil eleitores o solicitassem.

Efeitos e consequências

O principal efeito das assinaturas necessárias para o referendo sobre o corte de parlamentares é na reforma da lei eleitoral, invocada precisamente à luz dessa mudança parlamentar que está sendo posta em causa.

Com a indicação do referendo, a lei sobre o corte de parlamentares permanecerá 'não promulgada' até o dia seguinte à consulta e isso criará uma 'janela', durante a qual, se o governo vier a cair, o país irá às eleições e poderão ser eleitos, novamente, 945 parlamentares, em vez dos 600 previstos pela reforma.

As datas previstas

A data do referendo, provavelmente, deverá ser entre maio e junho. O mês mais quente, paradoxalmente em relação ao clima, será janeiro. De fato, no início de 2020, existe uma rede de datas a serem marcadas em vermelho.

Em 12 de janeiro, o prazo de três meses estabelecido pela Constituição expira para solicitar um referendo sobre o corte de parlamentares.

Em 15 de janeiro, a Consulta deve se pronunciar no referendo da Liga pela abolição da parcela proporcional da atual lei eleitoral.

No dia 26, os cidadãos de Emilia Romagna e Calabria serão convocados para as urnas. Sem mencionar a anunciada verificação de um governo cujas forças majoritárias estão em constante tensão.

Quais são os senadores que assinaram o pedido de referendo

Italia Viva: Garavini, Nencini

Lega: Grassi, Urraro

5Stelle: Giarrusso, Di Marzio, Maricotti

Pd: Nannicini, Verducci, Rojc, Rampi, D'Arienzo, Giacobbe, Pittella

Forza Italia: Serafini, Cangini, Dal Mas, Masini, Caliendo, Moles, Causin, Minuto, Fantetti, Pagano, Rizzotti, Binetti, Stabile, Schifani, Mallegni, Sciascia, De Siano, Carbone, Caligiuri, Cesaro, Saccone, Vitali, Lo Nardo, Messina, Craxi, Berardi, Perosino, Alderisi, Paptheu, Barboni, Fazzone, Biasotti, Aimi, Giro, Modena, Malan, Gasparri, De Poli, Pichetto, Fratin, Paroli

Misto: Martelli, De Falco, Nugnes, Fattori, Bonino, De Bonis, Buccarella, Merlo, Cario,
Rubbia (non iscritto ad alcun gruppo)