Facebook

Médica italiana alerta para os malefícios do uso da mascherina 

Em postagem na sua página do Facebook, a médica italiana Patrizia Gentilini, oncologista e hematologista, fez um alerta sobre os malefícios do uso da mascherina pelo público em geral, de forma generalizada, em áreas abertas, na contenção de infecções por Covid-19. 

Patrizia Gentilini nasceu em Faenza (Emilia-Romagna), em 1949; formou-se em medicina e cirurgia, em Bolonha em 1975, especializando-se em oncologia em Gênova, em 1980, e em hematologia, em Ferrara, em 1988. 

Ela trabalhou como oncologista, por 30 anos, no hospital Morgagni Pierantoni di Forlì, considerado um dos melhores do mundo, ocupando-se com a prevenção e o diagnóstico precoce e a terapia de tumores. Por três anos, principalmente, voltou seu atendimento a pacientes com problemas onco-hematológicos. No final de 2007, retirou-se do exercício ativo da profissão. Atualmente, faz parte da Associação contra Leucemias, Linfomas, Mieloma (AIL), seção Forlì-Cesena, com o papel de vice-presidente; também, integra a ISDE Itália (Associação de Médicos para o Meio Ambiente) .

Segundo ela: “O que é contestado é a obrigação de usá-las mesmo quando estamos sozinhos e ao ar livre, o que em algumas regiões se pretende impor! Se alguém está infectado, a cada expiração ele lança vírus. Os vírus podem permanecer ativos no ambiente, por exemplo superfícies, por um certo período de tempo. Depois disso, graças à secura do ambiente, eles não são mais infecciosos. Por outro lado, os vírus adoram ambientes úmidos, onde podem permanecer ativos por mais tempo. Portanto, se você continuar expelindo vírus da boca e tiver uma máscara, eles contaminam a mesma e permanecem ativos por um longo tempo, enquanto desfrutam do vapor de água expirado continuamente. Portanto, a carga viral é adicionada a cada ato respiratório. A máscara, assim contaminada, torna-se uma bomba atômica de vírus. Isso faz mal a você, porque você os respira em quantidades industriais e os faz entrar em seus pulmões, e isso faz mal aos outros porque, por exemplo, com uma tosse, você expele mais deles para o meio ambiente”.

Na postagem, ela cita o médico Antonio Lazzarino, epidemiologista do Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública da University College London (UCL), segundo o qual, no que se refere ao Covid-19, “os efeitos negativos do uso de máscaras superam os positivos". 

Acompanhe, a seguir, a íntegra do conteúdo da postagem, originalmente publicada em italiano.

“Ainda a propósito de MASCHERINE, aqui estão os 6 pontos cruciais da questão, de acordo com o Dr. ANTONIO LAZZARINO, médico epidemiologista que trabalha na Inglaterra e consultor do governo inglês. Os pontos abaixo são o resumo deste artigo: 

‘Muitos me pediram mais informações sobre os motivos pelos quais a mascherina pode causar mais mal do que bem aos cidadãos normais para sua proteção diária contra o coronavírus, seja para quem a usa pensando em proteger o próximo, seja para quem a usa pensando em proteger a si mesmo. Aqui estão alguns aprofundamentos: 

(1) Com a mascherina, você se sente mais protegido e aplica menos distanciamento social e lavagem das mãos. Não há nada que você possa fazer sobre isso; é um efeito inconsciente. Coloca você e os outros em risco.

(2) O volume e a qualidade da voz das pessoas que falam com a mascherina são consideravelmente reduzidos e as pessoas, espontânea e inconscientemente, se aproximam mais para ouvir melhor, ficando infectadas com mais facilidade (lembre-se de que a máscara não filtra o vírus).

(3) A mascherina faz com que o ar quente e úmido que você exala entre em seus olhos. Em muitas pessoas isso gera dor de cabeça. Em quase todas elas, gera um desconforto nos olhos que as inclina a tocá-los. Não há nada que você possa fazer sobre isso; é um reflexo instintivo. O olho é um caminho preferencial para o vírus. Se você tiver as mãos contaminadas, irá infectar-se. 

(4) Respirar com a mascherina é mais cansativo e requer mais trabalho para os músculos respiratórios (tanto que é intolerável o uso para pessoas com certas doenças pulmonares). Além disso, com a máscara, você respira uma porção de dióxido de carbono previamente exalada. Estes dois fenômenos causam um aumento na frequência e na profundidade da sua respiração: você está facilitando a entrada do vírus nos pulmões.

(5) Para fazer o teste "tampone" é usado o cotonete. Este último serve para "pegar" o vírus, mantendo-o "hidratado" e, portanto, "vivo". De que são feitas as máscaras? Algodão! Se você está infectado e usa uma máscara, carrega bilhões de vírus felizes e bem alimentados pelo vapor d'água que exala continuamente, uma espécie de nuvem de Fantozzi ao redor da cabeça por um raio de cerca de meio metro. Não sabemos com que frequência a mascherina deve ser trocada para limitar esse efeito ao mínimo, mas certamente não pode ser completamente eliminado, a menos que a máscara seja eliminada. Uma pessoa com uma mascherina é mais infecciosa do que uma pessoa sem o artefato. Além disso, tenha cuidado para não tocar nela com as mãos ou jogá-la de maneira inadequada! Em suma, a mascherina é um verdadeiro veículo para a infecção.

(6) O sistema imunológico frequentemente referido é uma segunda linha de defesa. Nossa primeira linha de defesa consiste no sistema imunológico inato. Esta é a primeira resposta rápida a um ataque, não depende do tipo de ataque, não tem memória, é ativa contra todos os vírus e bactérias, novas ou antigas, portanto também funciona contra o COVID19. O sistema inato basicamente mata micróbios imediatamente graças a algumas reações químicas. Ele dá um tapa em qualquer um que se aproxima, perseguindo-o. No entanto, esta super-arma super rápida tem uma desvantagem: se houver muitos ataques, não poderá lidar com todos eles. Se tiver sorte, entra em contato com uma quantidade mínima de vírus e o destrói imediatamente com seu sistema inato. O jogo termina. Se você usar a máscara, o vírus ainda respira, mas a pequena quantidade que você inalou permanece nas proximidades, a poucos passos de suas células epiteliais, o vírus insiste em você e provavelmente irá exigir o melhor do seu sistema inato. Nesse ponto, a defesa do sistema imunológico começa: você está oficialmente infectado. Uma vez infectado, continua usando a máscara e continua causando um aumento na carga viral, resultando em maior carga de trabalho para o seu sistema imunológico. Seria bom poder estudar quantas infecções assintomáticas se tornaram sintomáticas e severamente sintomáticas por causa da máscara. Se você acha que esses efeitos são irrelevantes, você deve elaborar e conduzir um estudo epidemiológico válido que comprove sua tese. De fato, pelo princípio da precaução, não podemos aconselhar nem obrigar os cidadãos a usar mascherine, até que esses efeitos sejam bem quantificados; seria como comercializar um medicamento sem antes experimentá-lo.

Diante dessas desvantagens, a mascherina tem apenas uma vantagem: interrompe as gotas de saliva (que absorve) e permite tossir e espirrar sem ter que fazer um grande esforço para colocar um lenço ou cotovelo na frente da boca. No entanto, os vírus também são,  acima de tudo, transmitidos através de pequenas gotículas que a mascherina não filtra. Além disso, se você tosse e espirra, precisa ficar em casa em estrito isolamento, nem pode sair para fazer compras ou ir à farmácia. Em resumo, para combater essa epidemia, a mascherina nem serve para realizar a única tarefa para a qual poderia ser útil.

As diretrizes da OMS de 6 de abril são claras: o uso de máscaras é desaconselhado para os cidadãos porque provavelmente é contraproducente, seja para proteger a si mesmo ou aos outros.

Em algumas regiões italianas, existe a obrigação de usar uma máscara.

Se eu fosse parente de uma vítima que foi infectada após o estabelecimento dessa obrigação, não hesitaria em denunciar criminalmente a pessoa que a instituiu.’”