Facebook

10 Doces de Natal tradicionais na Itália

As sobremesas estão entre as principais atrações das festas de final de ano. Pensando nisso, selecionamos dez doces clássicos da ceia de Natal na Itália, presentes em diferentes regiões do país. A seleção inclui algumas das sobremesas italianas mais famosas da tradição gastronômica italiana.

Panettone

O rei dos doces natalinos na Itália é definitivamente o Panetone, nascido em Milão (Lombardia), mas presente na mesa dos italianos em todo o país.  As origens do “Pan del Toni” são controversas, uma das lendas diz que esse pão saboroso nasceu por amor. Messer Ughetto degli Atellani foi quem teria inventado a receita por acaso, com o objetivo de conquistar Algisa, a filha do padeiro.  Outra lenda diz que, durante um jantar de Natal, na corte de Ludovico il Moro, o cozinheiro deixou o bolo queimar. Dado o desespero gerado pela situação, um funcionário da cozinha, chamado Toni, propôs servir o pão doce que ele havia preparado, naquela mesma manhã. A sobremesa foi levada à mesa e despertou o entusiasmo de todos os convidados.

Além de sua massa macia e rica, a peculiaridade do Panettone é sua forma de cúpula que o torna inconfundível.  Os ingredientes para o preparo são muito simples. A massa é composta por farinha, ovos, leite, açúcar aromatizado com passas e frutas cristalizadas. Fazer o Panettone em casa não é complicado, mas é necessário ter paciência e dispor de um dia inteiro, pois a massa exige tempos de fermentação bastante longos. 

Acesse aqui a receita

Pandoro 

Tradicional na pastelaria Veronese (Vêneto), essa iguaria de Natal é originária, na verdade, de Viena.  Dizem os relatos da história que na Corte de Habsburgo, também conhecida por Casa da Áustria, o Pandoro era chamado de "pão de Viena". Outros atribuem o seu nome "pan de oro" ao fato de que era servido nas casas dos ricos venezianos.

Pandoro, foto Depositphotos/Marcomayer

A receita do Pandoro, com o seu formato de estrela de oito pontas foi desenhado pelo pintor impressionista Angelo Dall'Oca Bianca (1858 Verona – 1942 Verona) e registrada, com a receita, no escritório de patentes, em 14 de outubro de 1894, pelo confeiteiro veronese Domenico Melegatti, proprietário da indústria de confeitaria homônima.

A preparação requer muita paciência e dura cerca de dois dias.

A receita leva farinha branca, manteiga, açúcar, levedura de cerveja, ovos, creme de leite, limão, baunilha e açúcar de confeiteiro.

Acesse aqui a receita

Struffoli

Struffoli é um doce típico da tradição napolitana e representa uma das receitas mais características do período de Natal. Quanto à sua origem, devemos voltar à era dos gregos antigos que, aparentemente, exportaram a receita para o Golfo de Nápoles, na época de Partenope. E é do grego que, segundo muitos, o nome "struffoli" também deriva: mais precisamente da palavra "strongoulos", ou "da forma arredondada". 

Apesar de ser uma preparação muito conhecida e apreciada, os Struffoli têm uma ampla difusão no sul da Itália, onde existem versões diferentes, todas mais ou menos semelhantes à receita original, mas com nomes diferentes: na Calábria "cicirata" ou "turdiddi", na Úmbria e Abruzzo "cicerchiata" e em Palermo "strufoli". 

A massa é formada em bolas do tamanho de bolas de gude. Crocantes por fora e leves por dentro. Os struffoli são misturados com mel e outros ingredientes doces e formados em montes ou anéis. Há muitas maneiras diferentes para dar sabor, mas a forma tradicional é servi-los em uma calda preparada com mel e frutas cristalizadas.

Acesse a receita aqui

Buccellato 

A sobremesa de Natal por excelência, na Sicília, é certamente o Buccellato. É uma massa com um recheio muito saboroso, geralmente à base de figos secos, chocolate e outras frutas secas. 

Buccellato Foto: Lacucinaitaliana.it

A massa é preparada com farinha, açúcar, manteiga e uma colher de sopa de Marsala. Enquanto, para o recheio, além de figos secos da Sicília, passas de uva, nozes, pinhões, zuccata (abóbora cristalizada), são usadas casca de laranja, açúcar e chocolate amargo, todos picados e misturados. O recheio é colocado na massa desenrolada, que formará um anel de ciambelona.

Quanto às origens do Buccellato, o nome deriva do latim “buccellatum” que significa pão a ser transformado em buccelli, que é um pedaço. É, portanto, com toda a probabilidade, o herdeiro do romano buccellatum, pão em forma de uma rosca que os imperadores romanos compartilhavam com a população durante festivais, jogos e encontros entre gladiadores. Certamente, do Buccellatum vem outro doce tradicional, completamente diferente, o Buccellato de Lucca, com o mesmo nome, pão doce recheado com passas, consumido principalmente no outono. 

Acesse a receita aqui

Petrali

Petrali é um doce típico natalino da Reggio Calabria. No formato de meia lua, os bolinhos são recheados com frutas secas, vinho cozido, mel e especiarias. As suas origens são incertas, mas a tradição diz que serviam a mesa de padres, por isso o nome “Petrali”. Os ingredientes remontam à despensa das famílias camponesas que preparavam a iguaria com ingredientes simples, com o que dispunham em casa, principalmente os figos, que na Calábria crescem em abundância.

Petrali Foto: Citynow.it

A preparação da pasta frolla recomenda o uso de manteiga, porém, na receita tradicional, era usada a banha porque a manteiga não existia na Calábria. A primeira coisa a fazer, ao planejar a produção do Petrali, é embeber as especiarias com o vinho cozido, por ao menos dois dias, o tempo necessário para que os aromas se harmonizem. A receita não utiliza fermento porque o crescimento da massa decorre das gemas de ovos. 

Acesse aqui a receita

Pandolce Basso Genovese

Pandolce Basso Genovese é originário da tradição da Ligúria e também é conhecido como panetone genovês, devido à sua aparência. Este grande clássico da culinária italiana é uma sobremesa perfumada, rica em sabor e é preparada com uma mistura enriquecida com pinoli, passas e frutas cristalizadas. Existem duas variantes comuns dessa sobremesa: o alto Pandolce Genovese, mais semelhante ao panetone clássico, e o mais baixo, mais esfarelado e fácil de preparar.

Pandolce Basso Genovese Foto: Primochef.it

O Pandolce Genovese, também conhecido no Reino Unido e nos EUA como "Bolo de Gênova", segundo alguns historiadores se originaria da antiga Pérsia: na verdade, segundo a lenda, cabia ao garoto mais novo oferecer esse doce ao soberano, um costume também adotado pelos ligurianos, onde o mais novo da família era convidado a inserir um raminho de azeitona no doce, a fim de atrair boa sorte. Em seguida, o ancião devia dividir o pão em duas partes: uma seria oferecida ao primeiro viajante que passasse e a segunda preservada para ser abençoada, no dia de São Biagio, protetor dos "males da garganta", em 3 de fevereiro.

Acesse a receita aqui

Ricciarelli di Siena

Ricciarelli di Siena são biscoitos produzidos a partir de uma massa à base de de amêndoas, açúcar e clara de ovos. Os Ricciarelli são tipicamente consumidos no Natal, servidos com um vinho de sobremesa.

Ricciarelli di Siena Foto: Blog.giallozafferano.it

A sua história é muito antiga e a receita pode ser encontrada no livro de Artusi "Ciência na cozinha e arte de comer bem".

O surgimento dos Ricciarell remonta a Siena do século 14, aos conventos e às lojas de boticários, as farmácias do passado, os únicos lugares onde os temperos e aromas essenciais para aromatizar e conservar alimentos podiam ser encontrados. Como evidência dessa tradição, ainda são visíveis lojas de especiarias antigas, perto da Piazza del Campo, no centro histórico da cidade de Siena, que preservam tetos com afrescos, com inscrições em ouro, exaltando esse e outros doces típicos locais. Diz a lenda que eles foram introduzidos por Ricciardetto della Gherardesca em seu castelo, perto de Volterra, na Toscana, após seu retorno das Cruzadas.

Acesse aqui a receita aqui

Strudel di mele dell’Alto Adige

O Strudel di mele dell’Alto Adige é famoso em todo o mundo e origina-se do Apfelstrudel (folhado de maçã) da tradicional cozinha austríaca. Na Itália, nas áreas do Trentino Alto Adige,  é uma verdadeira tradição, mas também está presente na culinária do Vêneto e de Friuli Venezia Giulia.

Strudel di mele dell’Alto Adige Foto: Scattidigusto.it

Seu nome deriva de uma palavra de origem alemã que significa "vórtice" e indica uma sobremesa enrolada formada por um invólucro de uma folha de massa muito fina.

Delicioso e fresco é perfeito como sobremesa na ceia de Natal, sendo servido com creme, chantili ou sorvete. Não existe uma receita única para essa sobremesa típica: cada família tem sua própria receita tradicional, que inclui o uso, além de maçãs, de passas, açúcar, farinha de rosca, pinhões, nozes e especiarias. As principais diferenças estão relacionadas à massa: o strudel pode ser preparado com a chamada massa de strudel, a “pasta tirata”, muito fina, com a “pasta frolla” ou a “pasta sfoglia”, a massa folhada.

O clássico strudel é preparado com a “pasta frolla”.

Acesse aqui a receita 

Certosino ou Panspeziale 

O Certosino ou Panspeziale é o doce de Natal típico da cozinha bolonhesa, feito com amêndoas, pinhões, chocolate amargo e frutas cristalizadas. A receita é muito antiga, remonta à Idade Média, quando os "speziali", os farmacêuticos da época que preparavam remédios, perfumes, essências e, muitas vezes, até doces, tratavam de sua elaboração. Somente mais tarde, os frades certosini (da Certosa, hoje cemitério de Bolonha) passaram a se encarregar de sua produção; é por isso que foi chamado Certosino. 

Certosino ou Panspeziale Foto: Pinterest

Com o tempo, tornou-se uma sobremesa da tradição familiar, hoje cada família possui suas próprias receitas e é preparado um mês antes do Natal para seguir o período de maturação prescrito. Em 2003, a delegação de Bolonha da Academia Italiana de Cozinha depositou a receita oficial do monge Certosino na Câmara de Comércio, protegida pela marca de qualidade Stg.

Acesse a receita aqui

Tronchetto di Natale

O Tronchetto di Natale, embora tenha origem francesa (Bûche de Noël), é presente na mesa natalina dos italianos, especialmente no Piemonte. A forma de tronco de árvore é símbolo do Natal em muitos países do norte da Europa e considerado símbolo de bom presságio. 

Os seus ingredientes são ovos, manteiga, mascarpone, creme de castanha, conhaque, creme e chocolate. É fácil de preparar, mas requer prestar muita atenção à massa básica, mais conhecida como massa de biscoito. A consistência é macia e esponjosa e deve ser enrolada, suavemente, sobre si mesma, caso contrário ela se quebrará. De qualquer forma, mesmo que isso aconteça, é fácil reparar o dano, pois o principal será completamente coberto. 

Tronchetto di Natale Foto: Ultimenotizieflash.com

Acesse a receita aqui