Facebook

Coronavírus Italia, prisão para quem desrespeitar a quarentena

A Itália passou a ser a segunda nação do mundo em número de vítimas relacionadas ao coronavírus. Até às 18h00 (horário local), eram 6.387 casos positivos para o vírus, aumentados em 1.326 em um dia. Até o momento, houve 7.375 casos no total na Itália. Desde o início da emergência, 366 pessoas morreram, 622 se recuperaram. 72% das mortes ocorreram na Lombardia. Até três meses de prisão ou multa de até 206 euros é a penalidade para quem violar o decreto emitido pelo governo que restringe o trânsito na Lombardia e em mais 11 províncias da zona vermelha.

Segundo dados divulgados pela Proteção Civil da Itália, na noite deste domingo (08), existem atualmente 3.372 casos positivos na Lombardia, 1.097 em Emília-Romanha, 623 em Vêneto, 265 em Marche, 355 em Piemonte, 165 em Toscana, 81 em Lazio, 100 em Campania, 67 em Ligúria, 53 em Friuli Venezia Giulia, 51 na Sicília, 36 na Apúlia, 26 na Úmbria, 14 em Molise, 23 na província autônoma de Trento, 17 em Abruzzo, 11 na Sardenha, 4 em Basilicata, 9 em Valle D'Aosta, 9 em Calabria e 9 em Província Autônoma de Bolzano.

Governadores do sul ameaçam com prisão quem desrespeitar a quarentena. Apúlia, Calábria, Campânia, Sicília, Basilicata e Abruzzo emitiram ordenanças nas últimas horas para impedir a fuga das "áreas vermelhas".

As medidas do Ministro do Interior para conter a propagação do coronavírus

A diretiva atinge estações ferroviárias, aeroportos, portos, rodovias, estradas urbanas e prevê a convocação imediata, mesmo remotamente, dos comitês provinciais de ordem e segurança públicas, para a tomada das medidas de coordenação necessárias. Além disso, indicações específicas para controles relacionados à limitação de movimentos de pessoas que entram e saem dos territórios com "contenção aprimorada", o que significa que os movimentos só podem ocorrer se motivados por necessidades de trabalho ou situações de necessidade ou por razões de saúde a serem certificadas por autodeclaração, que também pode ser feita imediatamente, preenchendo os formulários fornecidos pela força policial. Uma proibição absoluta, que não permite exceções, é prevista para pessoas sujeitas à medida de quarentena ou que tenham sido positivas para o vírus. A sanção prevista para quem violar as restrições às viagens é de até três meses de prisão ou a multa de até 206 euros por violações nas "áreas de contenção reforçadas" em caso de emergência.

Para vôos que partem de Schengen e não Schengen, as autocertificações serão solicitadas apenas para residentes ou domiciliados em territórios restritos. Ao chegar em voos Schengen e não Schengen, os passageiros devem justificar o objetivo da viagem na entrada. Verificações semelhantes serão adotadas em Veneza para passageiros de navios de cruzeiro que não poderão desembarcar para visitar a cidade, mas só poderão retornar aos seus locais de residência ou países de origem.

Alitalia suspende voos para Malpensa: serviço reduzido para Linate e Veneza

A Alitalia anunciou que a partir desta segunda-feira (09), suspenderá as operações no aeroporto de Milão Malpensa, seguindo as disposições do governo que restringiram o acesso e a saída de pessoas da Lombardia devido à emergência do coronavírus. O serviço para Linate, onde permanecem apenas vôos domésticos, e para Veneza também foram reduzidos. Os passageiros envolvidos em cancelamentos, explicou a companhia aérea, "poderão alterar suas reservas em voos confirmados gratuitamente ou solicitar um reembolso". (Redação www.oriundi.net)