Facebook

Eleições regionais do Veneto 2020

As eleições regionais do Veneto estão previstas para acontecer em maio de 2020, provavelmente no dia 31, conforme vem sendo mencionado pela imprensa. O atual governador de centro-direita Luca Zaia (Lega) é o grande favorito e tentará obter o terceiro mandato consecutivo. Em vista do fracasso obtido na Úmbria, é considerada quase impossível no Veneto, como nas outras eleições regionais de 2020, uma aliança entre a centro-esquerda e o Movimento  5 Estrelas. Já o Partido Democrático formalizou a candidatura de Arturo Lorenzoni, e também deverá participar da corrida eleitoral o independente Plebiscito.eu, que defende a independência do Veneto. 

A data

As eleições regionais de 2020, na Itália, não serão realizadas todas na mesma data. Emilia Romagna e Calabria, de fato, deveriam ter ocorrido em 2019, porém foram às urnas em 26 de janeiro passado.

Em todas as outras seis regiões que integram a rodada eleitoral, Toscana, Veneto, Campania, Liguria, Puglia e Marche, as eleições deverão ocorrer no final da primavera, nas datas a serem oficializadas pelo Ministério do Interior, que ainda não se pronunciou.

Em relação ao Veneto, a única certeza parece ser a da fusão, como ocorreu há cinco anos, com o primeiro turno das eleições administrativas de Veneza. Em 2015, as eleições regionais foram realizadas em 31 de maio, portanto, é provável que, mesmo em 2020, a eleição possa ocorrer em um período semelhante, entre o final de maio e o início de junho.

Os italianos residentes no exterior

O voto dos tialianos residentes no exterior, por correspondência, é permitido em eleições políticas, na formação da Câmara dos Deputados e do Senado, mas não para eleições regionais.

A lei eleitoral

As eleições regionais no Veneto serão realizadas conforme a lei eleitoral de 2012 que foi parcialmente modificada, em maio de 2018. Como não há votação em segundo turno, será eleito o candidato que obtiver um voto a mais do que os seus adversários.

O Zaiatellum, como foi renomeado, é um sistema de votação proporcional que prevê a atribuição de um prêmio majoritário: no caso de um candidato receber mais de 40% dos votos, ele terá direito a 60% dos 50 assentos do total. Para acessar a distribuição de assentos, uma coalizão deve exceder a barreira de 5% dos votos, enquanto para listas únicas a barreira é fixada em 3%. No que diz respeito aos conselheiros, a restrição dos dois mandatos foi eliminada.

Finalmente, será possível que um eleitor faça uma votação em separado (para um candidato ao cargo de Presidente do Conselho Regional e para uma das outras listas não relacionadas) e expresse uma dupla preferência pelos candidatos a conselheiros, que, no entanto, deve contemplar candidatos de diferentes sexos da mesma lista (homem e mulher ou vice-versa), sob pena de cancelamento da segunda preferência.
Os candidatos

Luca Zaia (Lega) será novamente candidato nessas eleições regionais no Veneto. O governador buscará, assim, obter seu terceiro mandato consecutivo, podendo contar com o apoio compacto de toda a centro-direita.

As negociações para uma possível aliança, entre as forças políticas da oposição, ainda não teriam sido firmadas. O Movimento 5 Stelle deverá, em breve, escolher seus candidatos com as habituais consultas regionais.

O Partido Democrático fez s sua escolha, indicando o vice-prefeito de Padova, Arturo Lorenzoni (nome de uma lista cívica) como seu candidato. Agora, resta construir a coalizão.

Gianluca Busato, presidente do Plebiscito.eu, que anunciou sua disposição de participar dessas eleições regionais, vem realizando a sua batalha pela independência do Veneto há algum tempo.

As pesquisas

Exceto pela breve experiência de Giuseppe Pupillo, integrante do então PDS, que governou por um ano, entre 1993 e 1994, em uma coalizão de centro-esquerda, também incluindo DC e PSI, o Veneto sempre foi administrado pela centro-direita.

Ao longo da chamada Segunda República, durante quinze anos (1995 a 2010) na Região, governou Giancarlo Galan, que depois passou o bastão para Luca Zaia, que agora também poderá alcançar o terceiro mandato eleitoral. 

Uma recente consulta realizada pelo instituto de pesquisa SWG mostrou que Zaia é o governador mais popular da Itália, entre seus eleitores. Independentemente disso, considerando os resultados das últimas eleições europeias, a vantagem da centro-direita parece evidente.

Ganhar de Luca Zaia seria uma tarefa muito difícil, mesmo com uma aliança de centro-esquerda do M5S, com essas eleições que parecem ter um destino já marcado, mesmo antes de fazer qualquer cálculo, será necessário ver quem serão todos os candidatos oficiais e como eles irão compor o tabuleiro de xadrez das futuras eleições. (Com informações do Money.it)