Facebook

Rubens Bueno registra nota de repúdio a ofensas contra a Itália 

O deputado federal Rubens Bueno (Cidadania-PR), presidente do Grupo Parlamentar de Amizade Brasil-Itália na Câmara dos Deputados, registrou, na sessão legislativa da última quarta-feira (27), a nota de repúdio da comunidade italiana de Goiás, em vista das declarações do deputado estadual Henrique Arantes (MDB) que vincularam a Itália e seus cidadãos à máfia e ao crime organizado. O documento foi encaminhado a Bueno pela Associação Veneziana Pró-Festival Italiano (AFESTI) de Nova Veneza, em Goiás.

Diz a nota:

Nova Veneza, 27 de novembro de 2019.

A comunidade italiana residente no estado de Goiás, por sua Associação Veneziana, vem externar seu veemente repudio às declarações do deputado estadual Henrique Arantes que, da tribuna da Assembleia Legislativa do Estado de Goiás (ALEGO),  irrogou graves ofensas à comunidade italiana, por ocasião de seu pronunciamento contra a Enel Goiás. 

Ao vincular a Itália e seus cidadãos à máfia e ao crime organizado, como irresponsavelmente fez o deputado, este parlamentar dá clara demonstração de seus sentimentos xenófobos e preconceituosos, esquecendo-se que a República Federativa do Brasil e sua constituição criminalizam este tipo de conduta.  

O deputado demonstra total desconhecimento ou má fé, com relação à história do Brasil e de Goiás, pois foram os imigrantes italianos responsáveis por ajudar a construir a riqueza da Nação e do Estado de Goiás, por conta de numerosos da comunidade italiana no Brasil. 

Repudiamos o triste evento porque não se coaduna com a postura e o decoro de que se espera de um parlamentar. A comunidade italiana exige respeito e retratação do deputado, assim como medidas da comissão de ética da ALEGO para apuração de eventual quebra de decoro parlamentar.

Assinam: Hermione Stival Moreira (Presidente) e comendador Oswaldo Stival (ex-prefeito de Nova Veneza).

Embaixada da Itália em Brasília

Na mesma direção da manifestação do deputado Rubens Bueno, a Embaixada da Itália em Brasília divulgou, na quinta-feira (28), um comunicado condenando as declarações do deputado Henrique Arantes (MDB). 

“A Embaixada da Itália em Brasília expressa firme condenação às declarações do Deputado Estadual Henrique Arantes por ocasião de seu discurso na Assembleia Legislativa de Goiás sobre a questão da ENEL. O tom e o conteúdo das ofensas pronunciadas constituem um grave ultraje contra a comunidade de italianos e ítalo-descendentes no Brasil, cuja contribuição para o desenvolvimento das relações amistosas entre a Itália e o Brasil em qualquer campo não pode, de forma alguma, ser denegrida”, diz a nota.

Entenda o caso

O deputado Henrique Arantes (MDB), em discurso realizado na quarta-feira (27), na Assembleia Legislativa de Goiás, onde tramita um projeto de lei para rescindir o contrato de concessão da Enel, companhia italiana responsável pela distribuição da energia elétrica no estado, vinculou a Itália à corrupção e afirmou que os brasileiros “aprenderam um pouco isso com os italianos”, pois houve “uma forte imigração”. 

Posteriormente, o deputado emitiu uma nota na qual afirma que empresa Enel comete erros graves e está sendo investigada por possíveis crimes e que "reconhece a importância histórica e atual entre Brasil e Itália, e seu discurso foi direcionado à empresa que maltrata o povo de seu Estado e jamais focado a ofender o povo italiano que é sempre bem-vindo e bem recebido no estado de Goiás".

Maior operadora privada de energia do mundo, a Enel diz não haver fundamento legal para que o governo de Goiás casse a concessão de sua distribuidora no estado, afirmou o diretor-executivo da companhia, Francisco Starace, na última terça-feira (26), em Milão. "As concessões são administradas no nível federal. Fizemos a aquisição e assumimos [a companhia goiana] em um estado realmente pobre. Investimos 3,5 vezes mais do que o que vinha sendo investido", afirmou.

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM) tem defendido publicamente a retomada da concessão da antiga Celg-D, hoje Enel Distribuição Goiás, por considerar ruim o serviço prestado pela concessionária italiana no estado. Os dados relativos a 2018 indicam que o consumidor goiano ficou 26,61 horas sem energia, em média. A média nacional foi de 12,85 horas. A frequência de interrupções de energia foi de 15,03 vezes em Goiás, mais do que o dobro da média nacional, de 7,17 vezes.

O processo de privatização da distribuidora foi realizado em novembro de 2016, e só a Enel apresentou proposta pelo ativo na época.