FABIO PORTA CANDIDATO PD

11 milhões de hectares de floresta em risco na Itália

A última onda de mal tempo causou o massacre de cerca de 14 milhões de árvores na Itália, entre Veneto, Trentino e Friuli. Culpa do clima, mas também do descaso e abandono de áreas arborizadas no país, segundo a Coldiretti (Confederazione Nazionale Coltivatori Diretti).

A Itália deve proteger a sua área florestal que se mostra vulnerável à degradação e aos incêndios, devido à falta de trabalho de prevenção nos bosques que, pelo abandono, se tornaram verdadeiras selvas ingovernáveis. A área florestal nacional aumentou em 10 anos, aproximadamente, 587.000 hectares, totalizando 11 milhões de hectares que, no entanto, se encontram em risco.

O alerta foi feito pela Coldiretti, em referência ao relatório da FAO de 2022 sobre o estado das florestas no mundo. Conforme explica a entidade, apenas em 2021, 170 mil hectares de floresta queimaram, sem qualquer possibilidade de controle, defesa e vigilância

Defender a floresta italiana, aumentar a biodiversidade e reduzir as emissões de dióxido de carbono implicam em aprimorar as funções de vigilância, manutenção e gestão da terra pelos empresários agrícolas italianos – defende a Coldiretti. A Itália importa mais de 80% da madeira necessária para a indústria de móveis, papel e aquecimento.

O que também é preocupante, segundo a entidade, é a forte crise do pomar italiano, onde nos últimos vinte anos quase uma em cada quatro fruteiras desapareceu, incluindo maçãs, peras, pêssegos, laranjas, damascos e outras frutas, o que gerou graves consequências ambientais. O "pomar italiano" viu um colapso líquido de 23% no espaço de vinte anos, de acordo com análise da Coldirett. 

Estudos recentes têm ressaltado o papel positivo da fruticultura na proteção do meio ambiente - explica Coldiretti - justamente pela capacidade de captura de Co2, papel que pode crescer ainda mais com a adoção de técnicas de cultivo voltadas não apenas para a produção de frutas, mas também para a luta contra a poluição e as alterações climáticas – conclui a entidade. (Fonte: Coldiretti – Leia aqui a matéria em italiano)