Facebook

Palladio 500 anos em Erechim

O arquiteto renascentista Andrea Palladio, cujo nascimento completa 500 anos em 2008, está sendo homenageado no município gaúcho de Erechim, na Região do Alto Uruguai, com a exposição Palladio 500 Anos em Erechim. A mostra reúne, na Galeria de Exposições do Castelinho, junto à Praça da Bandeira, no centro da cidade, mais de 30 painéis, especialmente confeccionados para permitir ao público conhecer o contexto da obra do arquiteto italiano. A visitação acontece até a próxima sexta-feira (22), com entrada franca. A promoção é do Ente Vicentini Nel Mondo - Circolo de Erechim.

As características mais representativas dos edifícios de Andrea di Pietro della Gondola, nascido em Pádua, em 1508, estão embasados, segundo explica a pesquisadora Crisitna Piccoli, na teoria de Vitrúvio e em princípios matemáticos que regem a proporção e a harmonia. Sua arquitetura possuía uma grandiosidade que agradava aos senhores e políticos da época, pois através dela podiam demonstrar toda sua riqueza e poder.

Palladio, aos treze anos, começou a trabalhar como cinzelador. Três anos mais tarde, transferiu-se para Vicenza, para ocupar o mesmo cargo numa oficina de maior prestígio. Aos trinta anos, com sua vida aparentemente estabilizada, ele encontra Giangiorgio Trissino, nobre e escritor vicentino, que logo reconheceu o talento do jovem trabalhador.

Trissino patrocinou-o com todos os meios de que dispunha, assumindo o papel de tutor, introduzindo-o, com seus livros e viagens a Roma (1541), nos princípios da arquitetura clássica, apresentando-lhe Vitrúvio – arquiteto da antiguidade romana cujos tratados tinham sido redescobertos um século antes – e a outras disciplinas do Renascimento, trabalhos da época em Pádua e a Veneza e arquitetos pioneiros do seu próprio tempo: Giulio Romano, Giovanni Maria Falconetto, Sebastiano Serlio e Michele Sanmicheli.

O próprio nome “Palladio” foi inventado por Trissino que fazia uma alusão à deusa grega da sabedoria Pallas Athenas. Logo após a primeira viagem a Roma, onde voltou várias vezes para aprofundar seus estudos, Palladio tornou-se, certamente por recomendação de Trissino, o principal arquiteto da nobreza de Vicenza.

Na opinião do arquiteto e urbanista Redenzio Cezar Zordan, Palladio foi, provavelmente, o arquiteto mais influente e mais conhecido de todos os tempos: “Palladio deixou um tributo incomensurável, perpetuando o conceito de obra arquitetônica, onde o módulo matemático, a proporção espacial e a leveza de suas cúpulas associaram o sistema construtivo à beleza e à qualidade de vida, pós-renascença italiana, especialmente em Vicenza, cidade que elegeu como sua”. Segundo ele, “sua obra transcende e atualiza-se freqüentemente, pois ultrapassou os limites do barroco, do neogótico, do movimento moderno e as obras paladianas se aspergiram pelo mundo, especialmente Rússia e Estados Unidos.

Além de Crisitna Piccoli, participaram da pesquisa, que resultou na exposição, Ivo Busetto e Floriano Molon.

Informações: (54) 3522-3479 ou pelo e-mail rczordan@hotmail.com